babels logo
| | | |
Agenda
+ Babels meetings

Event-related
+ European SF
+ World Social Forum
+ FAME 2012 Alternative World Water Forum
+ Babels Intl. Meeting
+ Archives

Localised
+ Egypt
+ Nederland
+ Argentina
+ Brasil
+ Colombia
+ France
+ Italia
+ México
+ Perú
+ Uruguay
+ Tunisie

Long-term
+ Interpretation equipment
+ SitPrep didactic DVDs
+ Transtrad
+ Lexicons

Participate with Babels!
+ Deutsch
+ English
+ Español
+ Français
+ Italiano
+ Português
+ ελληνικά
+ Pусский
+ Română
+ Hrvatski
+ Magyar
+ Nederlands
+ Polski
+ Català
+ Latviešu


 Página inicial do sítio > Event-related > World Social Forum > World Social Forum 2005 > Debriefing reports

[ en es pt ]

Seleção e Viagem: parte 2

FSM 2005 Relatórios de debriefing
(Data: 11 de Março de 2005)

1 - Processo baseado no correio eletrônico e na base de dados.

2- Processo de seleção regional na América Latina.

2- Processo de seleção regional na América Latina

- Argentina
- Brasil: Porto Alegre
- Brasil: São Paulo
- Brasil: Rio de Janeiro
- Brasil: Norde/Nordeste
- Colombia
- Ecuador
- Perú
- Uruguai

Argentina

Relatório em preparação

Porto Alegre

Relatório em preparação

São Paulo

Relatório: Luis Rizzo

PORTUGUÊS: tradução em preparação

I work in BABELS São Paulo and I started working in the written translation group. Then I migrated to the simultaneous interpreting group and helped reading and answering e-mails of newcomers until before the Forum starts. During the Forum I was supposed to work only in interpreting.There were a lot of things to do so I worked two days in the written translation and two days in the International Council Meeting doing the interpretation in the English to Spanish booth. I helped in the Booth Planification group while I was in Gasometro at night. I participated in the Latin America meetings and coordinate the last meeting.

Selection Methodology from São Paulo

BABELS started in São Paulo in August 2004. In the first meetings there were a lot of different people each coming over and the WSF and BABELS history and work had to be explained to the new people over and over again.

By September we started to raise questions about what were the issues and how we could solve it. We decided to work in 3 teams, the written Translation Group, the Simultaneous Interpreting Group amd the Mobilization Group.

Each of the Groups were responsible for some specific tasks that needed to be done in a certain time.

So we began to work and mobilise.

The Written Translation Group began with Monica Nehr and I doing the translations and mobilising those who wanted to join the team. We established a test for the newcomers and they had to take it in order we could evaluate their work. Monica did the job of coordinating these group and give / pass the translations for the rest of us. She managed to do it and the São Paulo written translation group contributed in the WSF website office during the WSF2005.

The Mobilization Group took the list of people who live in São Paulo registered in the BABELS site and started to call those to the meetings. There were 4 people each one calling to 50 other people. After that we replied the e-mails from people.

Simultaneous translation

Two coordinators of these team (Henrique and Patrícia) are former students of a interpreting college in São Paulo, UNIBERO. They talked with their teachers and the school let us use their “laboratory”, a room with capacity for more or less 60 people seated, a booth with for 3 people and all the necessary equipment. We did a training process wih volunteers and profesionals since September 2004 until 2 weeks before the beginning of the Forum. We asked a lot of people of social movements to come and give speeches or sometimes we had prints of the material of the other WSFs founded in the WSF website.

We (Henrique, Graziela, Leda, Luis, Monica and Patricia) agreed with some points in order to select those who would go to POA.

Everybody had to get in the booth and talk. Even those who were profesionals had to do it. We had to listen to all. So there were some people who thought they would go and didn’t come into the booth in the last minute. We had to listen to everybody and before saying yes or no to the person we talked with each other to see if there would be another chance or not. We specify criterias like shadowing (interpreter follows the person who is speaking), “bring the text” (bring the idea of the speech, the sentence), general knowledge of the topic, (know the specific terms of the WSF debates), pauses, if the person breathed in the microphone or not and the atitude of the person towards others inside and outside the booth.

Those people who were selected went through these training process and had the idea of what an interpreter, its difficulties and issues. Finally they knew how to work in the booth.

We worked to schedule all the plane tickets and the trip to the airport.

We think we did a selection proccess that brought people who can deal technically and psychologically (very important) inside the booth. In the first meeting they didn’t know nothing or little about interpreting and/or Social Movements / Social Forums.

We brought to Porto Alegre 47 people of Interpreting Group, 15 people of Written Translation Group and 3 people of Room Coordination Group. Total = 65 people from São Paulo. People should meet the alredy mentioned standards in order to get into the booth / write a good translation to perform a good job.

Of course it’s not only roses here. We had problems, of course we had them.

We had a hard time with annoying people who wanted to jeopardized the entire process.

About the selection process we saw 2 situations:

1.Those people who live in São Paulo and came from these city without training and selecting. Those people are selected by other coordinators in BABELS.

2. Those people who were not selected, who fail to go through one coordinations and went to the WSF by contacting other local coordinations.

Conclusion

The selection process in a whole could work better if we exchange more information and could see the real demand of languages, people and budgeting before and during the selection process.

BABELS must have mechanisms to select those people who are not performing well. We somehow manage to do that in São Paulo by having specific criteria for the selecting process. It was clear for everybody that there were rules and those who didn’t follow the rules didn’t go. There were procedures and common agreements on the minimum requirements. So no one could talk later that there was something personal.

We, as BABELS, should think about the following:

1. Create specific criteria on how someone become a coordinator of anything within BABELS. After that create tools to evaluate those people.

2. Important problems should be given to a group of people located in different countries. Those people should report their work in a certain period of time to all BABELS.

2. Disseminate information

3. Create real evaluations on performance and tackle the problems raised as soon as posible.

We need to establish some few procedures for BABELS. The coordinators are the first ones who must know these procedures and attain to them.

1. We should know personally the people we are bringing.

2. We should see if those people can perfom really well in the booth.

3. We should see if the people we are selecting are committed to their work.

4. We should try to know how the person handles pressure.
And so on.

Rio de Janeiro

Relatório: Erica Resende e Rebecca Atkinson

O processo de mobilização no Rio de Janeiro começou no final de outubro, em uma reunião no IBASE sobre a apresentação do projeto da Babels. Estavam presentes cerca de 10 intérpretes profissionais, sendo que Pascal era o então responsável pela coordenação local. Decidimos motivar outros colegas que atuam o mercado do Rio e marcamos um novo encontro para início de novembro. A fim de facilitar a comunicação entre os intérpretes, decidimos abrir um grupo no site Yahoo. Nosso objetivo era mobilizar cerca de 40 a 50 profissionais do Rio de Janeiro dentre colegas atuantes no mercado e ex-alunos das escolas de interpretação cariocas.

Em início de novembro, percebemos que poucos haviam se inscrito no site como voluntários, pois deixaram de receber os emails de confirmação de participação no FSM. Fizemos uma convocatória geral para que todos os interessados se inscrevessem no site e regularizassem sua ficha no banco de dados. Escolhemos Erica Resende para ir a Porto Alegre para a reunião do CI.

Somente em Porto Alegre tomamos ciência da plenitude da rede Babels, os projetos paralelos como Lexicon, a parceria com Nomad, os instrumentos de comunicação, o banco de dados, etc. Na reunião seguinte, decidimos aumentar a mobilização para atingir o número de 60 voluntários, passando a incluir estudantes de interpretação, além dos profissionais. Por outro lado, devido ao sucesso da comunicação via Yahoo, foi rejeitado o uso das ferramentas de comunicação da Babels por diversos motivos (falta de familiaridade com ferramentas de TI, consenso em relação à eficácia da comunicação na lista Yahoo, excesso de emails e comunicados de outras regiões, “tecnofobia”, entre outros). No entanto, tivemos o cuidado de sempre colocar uma cópia das atas de nossas reuniões e principais comunicados no site da Babels, na parte destinada ao Brasil. O responsável por essa tarefa foi Juan Doblas, que trabalhou em parceria com Luis Gustavo em SP. Dessa forma qualquer membro da rede poderia, caso interessado, informar-se acerca de nossas atividades.

Devido à decisão de concentrar a seleção em profissionais e alunos de interpretação, treinamento foi deixado em segundo plano. Tal decisão também foi alimentada pelo fato de que não pudemos contar com o apoio de uma instituição que nos oferecesse um local apropriado para treinamento de interpretação.

Paralelamente, nosso coordenador Pascal desligou-se do projeto por razões profissionais. Erica Resende assumiu suas funções, contando com a ajuda de Marcelo Neves. Diversos outros intérpretes ficaram responsáveis pelo processo de avaliação e treinamento de voluntários sem experiência.

Com o aumento de nossa cota de 60 para 90 pessoas, e devido à demanda de nativos de alemão, italiano e outros idiomas, decidimos selecionar voluntários não-profissionais a partir do banco de dados da Babels. Dos cerca de 180 voluntários (números de novembro) residentes na região do Rio de Janeiro, selecionamos cerca de 50 nomes de não profissionais que apresentavam um perfil adequado ao evento (nativos de PT, EN, FR, DE e IT com conhecimento passivo de pelo menos duas línguas estrangeiras). Todos foram convidados par uma sessão de avaliação realizada em dezembro. Dividimos o contingente conforme combinação lingüística. A avaliação foi feita por um intérprete profissional nativo de cada idioma (Pascal e Annie, FR; Rebecca e Erica, EN; Luciana Ache e Kena, ES). Por falta de intérpretes profissionais nativos de IT e DE, não foi possível fazer uma avaliação mais sólida dos voluntários sem experiência nativos desses idiomas.

Somente em janeiro conseguimos utilizar uma sala do IBASE, mas, devido às férias escolares, festas de fim de ano e compromissos profissionais dos intérpretes, o treinamento foi insuficiente. No total promovemos cerca de 8 sessões de avaliação/treinamento, com um intérprete profissional como instrutor e cerca de 4 a 5 iniciantes.

Devemos ressaltar que nas primeiras semanas de janeiro recebemos um número enorme de candidatos de última hora, fazendo com que o número de voluntários pulasse de 180 para cerca de 220. A adesão de novos voluntários somente foi aceita em casos excepcionais: nativos de FR, HE, AR ou profissionais que aderiram à mobilização.

Da cota estabelecida de 90 voluntários, mobilizamos 35 profissionais nativos de PT (23), ES (2), EN (5), FR (2), DE (2), e RU (1), sendo que dos 22 intérpretes nativos de PT, cerca de 15 encontravam-se qualificados para trabalhar em cabines de EN e FR. Esses nomes foram encaminhados por email a Laurent e German no início de janeiro. Os demais voluntários eram formados por iniciantes nativos de PT, IT, DE e HE, aprovados nas sessões de avaliação promovidas pelos intérpretes profissionais responsáveis por cada língua passiva testada.

Paralelamente, buscamos selecionar iniciantes que, além do domínio das línguas estrangeiras, apresentavam atributos diferenciais como graduação ou pós-graduação em Economia, Sociologia, Ciência Política, Relações Internacionais, etc. e tradutores qualificação e/ou experiência em interpretação simultânea. Por decisão consensual entre os dois coordenadores e os cinco intérpretes responsáveis pela avaliação, selecionamos cerca de 5 voluntários que, apesar de não apresentarem os atributos exigidos, deveriam ser encorajados a participar de uma experiência como o FSM. A idéia da criação de uma cota nesse sentido havia sido discutida e acordada em reuniões anteriores no Rio. Essas pessoas, por não estarem aptas a fazer interpretação, foram direcionadas para coordenação de sala e outras tarefas de coordenação. A lista contendo esses nomes foi transmitida a Laurent e Yan.

Como aspecto negativo do processo de seleção e treinamento, ressaltamos a falta de espaço adequado para a realização de treinamento (as duas escolas de interpretação opuseram-se ao empréstimos das salas de treinamento), o calendário de fim de ano - que coincide com o fim de ano letivo, férias de diversos voluntários que deixaram de responder emails em tempo hábil, festas de fim de ano, etc., e a ausência de material de treinamento em PT no cd preparado pela Ecos (os iniciantes nativos de IT, DE, HE, FR, EN e ES não tiveram acesso a conferências gravadas em PT para interpretar para seus respectivos idiomas. As soluções alternativas encontradas (gravações de vídeo e rádio) não foram satisfatórias.

Como aspecto positivo, destacamos o alto número de profissionais mobilizados no Rio de Janeiro. Esse número poderia ter atingido cerca de 50, mas muitos desistiram por compromissos profissionais assumidos na semana do FSM, e, sobretudo, por falta de definição acerca de hospedagem e emissão de passagem. Entendemos que a mobilização de cerca de 60 a 80 intérpretes profissionais no Rio de Janeiro seja possível nos próximos dois anos.

Finalmente, devemos comentar a questão de hospedagem e passagem. As passagens somente começaram a ser emitidas ente 18 e 21 de janeiro, coincidindo com o feriado de 20 de janeiro no Rio de Janeiro e a apenas 4 dias da data prevista de chegada em Porto Alegre. Nesse sentido, e devido ao ferido municipal em SP no dia 25, a coordenadora local foi obrigada a supervisionar a emissão de cerca de 90 passagens - com as respectivas e inevitáveis alterações de horários - em um período de 96 horas.

Paralelamente, devido ao feriado prolongado no Rio de Janeiro (de quinta a domingo), diversos voluntários encontravam-se fora da cidade e sem acesso a internet. Por essa razão, diversos e-tickets não foram recebidos a tempo para embarque, voluntários perderam vôo, etc. Além disso, como a emissão foi bastante tardia, não foi possível obter os melhores preços e datas de vôo mais apropriadas. Acabamos chegando um ou dois dias depois do ideal e partindo dois a três dias depois do necessário, o que gerou despesas extras de hospedagem.

Nossa sugestão nesse sentido é localizar e dar autonomia ao processo de emissão de bilhetes a fim de obter melhores preços como vôo de grupo e não bilhetes individuais. Além disso, torna-se menos problemático e preocupante para quem aguarda uma definição acerca da ida ou não ao FSM.

Avaliação e recomendações:

  1. O grupo de 90 voluntários foi muito grande e diverso. Pretendemos fazer uma avaliação sobre a participação de forma a enxugar o grupo de voluntários cariocas, buscando elevar o número de intérpretes profissionais participantes. Já estamos trabalhando nesse sentido. Nosso objetivo é atingir 60 intérpretes em 2 anos. Tal decisão representa nossa opção por qualidade e versalitilidade lingüística em vez de quantidade de voluntários. Para tanto motivaremos nossos colegas cariocas a aderirem à Babels e faremos mobilização nas escolas de interpretação cariocas (o que não foi feito desta vez).
  2. Voluntários sem experiência que se destacaram em Porto Alegre, mostrando potencial para a interpretação simultânea, serão considerados e incentivados a fazer treinamento mais intensivo para futuros eventos do FSM.
  3. A totalidade dos intérpretes profissionais cariocas lamentou não ter feito mais turnos, pois entendiam que poderiam ter trabalhado 3 turnos por dia. A percepção é a de que o FSM é um evento atípico, que não pode ser submetido a uma comparação com eventos tradicionais do mercado de interpretação brasileiro. Por essas razões é grande a disposição em trabalhar um pouco mais do que os iniciantes. Tal argumento se justifica ainda mais quando percebemos que um dos critérios para a hospedagem foi reservar os quartos em hotel para os profissionais porque eles teriam uma carga de trabalho maior do que os demais, necessitando, portanto, de mais repouso.
  4. Dar mais autonomia a coordenação local com relação à emissão de passagem, hospedagem, acolhida , etc. Somente aqueles que encontram-se no nível local têm conhecimento sobre suas próprias necessidades e sobre as melhores opções para transporte, por exemplo.
  5. Acreditamos que a percepção geral do FSM como uma experiência positiva para os intérpretes profissionais possa motivar nossos colegas cariocas a aderir à rede, vencendo, dessa forma, a resistência e a ameaça de retaliação anunciada. Por essa razão, em vez de direcionar recursos e energias para o treinamento de iniciantes, pretendemos dar início a uma campanha de esclarecimento ao mercado profissional local, de forma e motivar e mobilizar um número maior de profissionais locais. A superação dos problemas decorrentes da emissão tardia de passagens e da indefinição quanto ao local de hospedagem já motivaria um contingente de quase 10 profissionais.
  6. Finalmente, desejamos nos unir mais aos grupos locais brasileiros, mais especificamente região Sul, SP e Nordeste (já existe uma intensa aliança entre Rio, Centro-Oeste e Norte). Entendemos que deveria haver um maior intercâmbio de idéias e informações entre esses grupos para que possamos deixar de ser percebidos como Babels Rio, Babels SP, Babel Centro-Oeste, etc., para sermos Babels Brasil.

Brasil: Norde/Nordeste

Relatório: Robert Finnegan

PORTUGUÊS: tradução em preparação

This is a brief report on the selection/ training process in the North and Northeast regions of Brazil.

This report follows my individual activities quite closely as I was/am the only Babels coordinator in these two regions, which geographically correspond to 45.27% (3.869.637,9 km2) and 18.26% (1.561.177,8 km2) of Brazil, respectively

As I had participated in the ESF2003 as an interpreter and expressed desire to work more closely with Babels, I was invited to become a coordinator and to participate in the WSF preparation meeting in Porto Alegre in May 2004 and the Babels meeting in Brussels in July 2004.

In May 2004, I sent a series of emails to known professionals, discussion lists, university interpreting courses, calling for volunteers for the WSF2005 and began corresponding with respondents, debating in public forums with interested professionals and the sceptical, eventually directing them to register at the Babels website.

In July 2004, I participated in the ASF in Quito as interpreter and coordinator.

After the ASF, I wrote and submitted a critical report to Babels, which was lost and I spent several months with communication problems with the rest of the network.

The sheer size of the North/Northeast regions of Brazil prohibited me from doing more than corresponding by email and referring questions to the Babels website.

Upon reestablishing communication with Babels, I received the details of the volunteers registered in Brazil in early December. As the list was for the entire country, I separated the names by region and sent lists to the other regional coordinators in Brazil.

Within the North/Northeast regions, I concentrated on known professionals and asked these to recommend/ vouch for others on the list from their or nearby cities and states.

In early December, I received the ECOS training DVDs. I made copies and distributed them to the registered volunteers in Belém and encouraged those in other regions to request or download them.

During this period (December- early January) I sent several messages to the volunteers in my regions, asking for confirmation of their availability but I myself was unable to confirm to those interested whether or not they would participate.

In mid-January I was informed that there were not enough interpreters selected and that I should accept all candidates available.

Many of those who had previously confirmed, backed out during the last week, mainly due to the lack of definition on our part.

In the end, some professionals and/or experienced interpreters did not have their tickets purchased and so, although available, did not participate.

As I was active as an interpreter during WSF, I had little time to oversee interpreters from my regions, referring them to the coordinators at the Gasometro building.

The WSF itself is a positive and hope-inspiring process and so all those I did talk to were very positive about the experience. Some volunteers expressed the desire to have done more, while others, unfortunately, did as little as possible. In my opinion, steps should be taken to avoid selecting the latter for future events.

Recommendations:

  1. Form a separate regional coordination for Northeastern Brazil (possibly even two)
  2. Decentralized decision-making would improve oversight, logistics, credibility.
  3. Assessment of volunteers is important to use our scarce resources as efficiently as possible.
  4. Evaluate our ’carrying capacity’ – how many reliable interpreters we can provide – instead of receiving the number needed and filling that number with people who are unable to do the job (quality vs quantity).

Colombia

Relatório: Monica Salom

PORTUGUÊS: tradução em preparação

Para el FSM 2005, Babels Colombia aceptó las decisiones tomadas en POA en la reunión de Agosto sobre la selección. Allí se definieron varias etapas como consta en INFO…

El proceso de Movilización y el de selección estuvieron coordinados estrechamente.

Primera etapa:

Se confirmaron los intérpretes PROFESIONALES, residentes en Colombia y que habían estado en Quito así como los de Experiencia. Se envió un mail automático a todos los inscritos, y a partir de su respuesta de aceptación(algunos profesionales no respondieron) se fue haciendo la lista de seleccionados.

Segunda etapa:

Se hicieron reuniones de movilización, y se difundió el llamado a través de universidades, escuelas de Lenguas, radios comunitarias, con el fin de que los interesados se inscribieran y comenzaran la preparación.

Tercera Etapa:

Los profesionales voluntarios, con disponibilidad de tiempo, integrantes de Babels que nos habían acompañado en Quito formaron un grupo responsable de la selección para POA y se dividieron por Lenguas:Inglés, Francés y Portugués, para asesorar y guiar a los futuros debutantes, voluntarios para POA. Se escribieron documentos con ejercicios que cada cual podía realizar por si mismo, reflexiones sobre que es la interpretaciön y que se espera de un traductor y se acordó una fecha para la evaluacion de voluntarios. (Estos documentos fueron enviados a numerosos coordinadores locales o intérpretes aislados que deseaban entrenarse por su cuenta).

Cuarta Etapa. Evaluación definitiva:

Esta fecha fue el día 4 de diciembre, durante el FORO SOCIAL COLOMBIA, ya que las conferencias y el ambiente ofrecían una situación real, con un público vivo aunque no estuviera siguiendo la traducción, y el voluntario sin experiencia podía evaluar realmente su habilidad para hacerlo, además de entrar en contacto con el vocabulario del proceso Foro.

Allí los profesionales encargados de la evaluación, despues del feed back correspondiente, hicieron una lista de candidatos hábiles para POA, con sus puntos fuertes y débiles, y algunos de estos fueron llevados a participar en POA, además de los nuevos profesionales Babels que no estaban inscritos para el FSA.

En Colombia carecemos de Escuelas de Interpretación. la única Facultad de interpretación en Bogotá se cerró en el año 1975. Los nuevos profesionales han tenido que estudiar fuera y hay muchos que se han hecho en la práctica y viven de ello.

En su gran mayoría los integrantes de Babels Colombia para POA forman parte del grupo de intérpretes profesionales de Colombia y son personas mayores de gran recorrido y calidad reconocida internacionalmente.

Respetando los principios de Babels, se llevaron 3 First experience, avalados por los profesionales, así como a algunos ocasionales, pero seguros de la calidad y responsabilidad de su participación. Hubiera sido muy frustrante que los voluntarios se prepararan y esforzaran parta luego decirles que a POA sólo irían los profesionales. Si Babels promete, debemos cumplir siempre y cuando la calidad esté esegurada.

Este concepto de la calidad es muy importante, y para el futuro mas vale que seamos pocos pero buenos, que muchos y pésimos. Hay que continuar preparándose para los próximos Foros y poder garantizar al público y a las organizaciones del Foro una interpretación de calidad, no solo a través de los intérpretes que estuvimos presentes y firmes donde se nos requirió, sino con un equipo igualmente fiable y de calidad de sonido, para poder hacer un trabajo profasional como lo merecen los que estamos luchando por un mundo mejor.

La gran frustración después de tres foros, Mumbai, Quito y POA es que no hemos podido realizar un trabajo satisfactorio para todos por falta de equipo. Intérpretes sin equipo no podemos trabajar, no todos manejan las técnicas de la consecutiva y el chuchotage es contaproducente desde muchos aspectos. Allí es donde debemos centrar nuestra reflexión, que pasa con el equipo?Nomad es un proyecto fabuloso, pero debemos replantear las relaciones Babels Nomad. Muchos no desean participar mas si no tienen los instrumentos profesionales adecuados para realizar su labor a cabalidad.

Ecuador

Relatório: Maricruz González C.

PORTUGUÊS: tradução em preparação

Tomé la coordinación Babels Ecuador para el FSM 2005 luego de haber participado como intérprete en el Foro Social de las Américas. Por la falta de tiempo, mi nivel de colaboración se limitó a reunir y capacitar intérpretes y principiantes.

Para iniciar, recibí de la Coordinación Colombia una lista de aproximadamente 60 personas que se habían inscrito. Si bien yo me propuse como contacto en Ecuador, era necesario reunir a las personas que supuestamente estaban interesadas para saber si estarían de acuerdo, ya que había otra persona que también planteó su interés, Jorge León. A vuelta de correo, recibí un gran número de confirmaciones de asistencia a la primera reunión de Babels Ecuador, que se había convocado en las oficinas de Jorge. Curiosamente, a pesar de ciertas confirmaciones, nadie más que Jorge y yo asistimos a esa primera “reunión”. De todas maneras, insistí en mi interés en coordinar Babels acá y en eso se quedó ya que Jorge a la final dijo que no tenía tiempo.

El segundo paso fue informar acerca de la reunión fallida y convocarauna nueva. Poco después, alrededor de octubre, realizamos la primera reunión con cuatro personas interesadas en colaborar: una estudiante de Lenguas Aplicadas a Negocios, primera experiencia, con inglés y francés; un estudiante de ingeniería en sistemas que había colaborado en el Foro de las Américas, con francés; un antropólogo con experiencia en interpretación en inglés; y yo, la única intérprete profesional, con inglés y español como activos y francés, italiano y portugués como pasivos.

De ahí en adelante, continué convocando por un mes a todas las personas a las que había escrito en un inicio,a pesar de que a la final el grupo estable, junto con las personas arriba indicadas, quedó en seis personas, incluyéndome. Comenzamos los entrenamientos de una forma totalmente rudimentaria, ya que ninguno tenía acceso a equipos sin costo. Lo que yo hice con algunas personas fue llevarles a la cabina cuando yo trabajaba, por lo menos para que vieran lo que estaban por hacer. Mientras tanto, practicábamos con textos queyo tenía sobre casi todos los temas que se iba a tratar en el Foro. Trabajábamos con grabaciones caseras en dos vías, con la televisión y DVD.

Con el pasar de los meses se unieron tres personas más a las que fuimos poniendo al día, con inglés y francés. Unas dos semanas antes de la fecha del Foro, fui informada que se requería más gente, así es que acepté a una persona a la que no conocía y que nunca tuvo ningún tipo de entrenamiento, cosa que informé. También en los últimos días, averigüé que estaba inscrita una intérprete con mucha experiencia en portugués a la que yo no conocía e invité a las dos últimas reuniones. Ella tiene mucha experiencia, así es que también ayudó a dar los “últimos toques” en recomendaciones y técnicas a los novatos. Los únicos otros dos profesionales que aceptaron, a último momento tuvieron que negarse por motivos personales.

Las convocatorias fueron hechas en el medio de traductores profesionales y de estudiantes. Debido a la falta de tiempo, realmente no pude contactarme en forma más oficial con escuelas de lenguas, especialmente en el idioma quichua, que no llevó la delegación ecuatoriana (ahora estoy trabajando en ello).

Al igual que en otros lugares, en el Ecuador no existe una escuela de Interpretación, así es que no tuvimos un lugar “oficial” a dónde acudir.

En mi opinión acerca del proceso de selección, leí algún correo en donde alguna coordinadora (Argentina, me parece) solicitaba fondos para la preparación de los principiantes. Si bien yo no la apoyé con un email, ya había pensado que esos serían fondos muy bien invertidos desde todo punto de vista: conseguir mayor calidad, dar oportunidades profesionales a futuros potenciales intérpretes y acercar a más gente al Foro de una manera más profesional.

Perú

Relatório: Gabriela Puente-Arnao G.

Detalhe do processo de seleção no Peru para Babels no FSM2005.

O processo teve duas partes: a) a coleta de dados e b) a entrevista.

Coleta de dados

  1. O chamado foi enviado aos voluntári@s selecionad@s da base de dados Babels e das outras fontes (recomendações confiáveis, respostas ao chamado enviado à Associação Peruana de Tradutores e às duas Universidades de Interpretação, bem como as mensagens recebidas em: fsm-peru@babels.org).
  2. Se responderam as mensagens pedindo uma descrição detalhada da experiência em interpretação.
  3. Os résumés foram recebidos e examinados, assim como informação sobre a experiência.
  4. Os dados foram comprovados com a informação da base de dados da Babels.
  5. Criou-se uma base de dados para o grupo peruano.
  6. Chamou-se aos voluntári@s selecionados a uma entrevista pessoal onde se comprovou a informação fornecida e as capacidades de comunicação, entre outros fatores (vontade, atitude, etc.).
  7. Segundo a informação recebida e comprovada na entrevista, @s voluntári@s passaram pelo processo de confirmação combinado: ‘shortlist’, confirmed’, etc.

A entrevista

A entrevista foi informal e amistosa e durou ao redor de 30 a 45 minutos, segundo os idiomas.

Abordaram-se os seguintes pontos:

  1. Conhecimento do idioma.
  2. Experiência de interpretação (tipo de eventos, temas, referências, etc.).
  3. Atitude.
  4. Consciência sobre o FSM.
  5. Principais razões/motivação para se oferecer como intérprete voluntári@ de Babels no FSM.

Metodologia da entrevista

A entrevista foi realizada trocando espontaneamente de um idioma para outro, segundo os idiomas d@ voluntári@.

Idiomas usados: espanhol, francês, inglês, português, italiano, e alemão.

Não havia a possibilidade de avaliar o conhecimento lingüístico do quechua. Portanto, @s intérpretes de quechua apresentaram résumés documentados e foram intérpretes que também tinham participado como voluntári@s no FSA de Quito. Um deles foi entrevistado.

Para a seleção, foram levados em conta os seguintes aspectos:

  1. Qualidade versus quantidade.
  2. A falta de infra-estrutura para treinamento permanente ou freqüente ou para realizar oficinas em Lima (só duas vezes usaram-se os laboratórios de interpretação de uma das duas Universidades peruanas para Interpretação).
  3. A minha responsabilidade como coordenadora para Babels-Peru pelas pessoas que tinha entrevistado (com relação a esse ponto, por favor é preciso observar que os processos verticais e aqueles que requerem controle de qualidade e vigilância não devem se confundir porque a falta destes últimos poderia pôr as metas da Babels em risco, assim como os conteúdos e finalidades do FSM).

Sobre as oficinas

(Essa informação também está associada aos parâmetros de seleção)

Durante a primeira, o equipamento não funcionou; se entregou material informativo sobre Babels e se abordo o tema dos direitos humanos e outros temas relacionados. Também, duas voluntárias falaram sobre suas experiências anteriores no FSA de Quito. Também se discutiram idéias e experiências de interpretação.

Na segunda oficina, mesmo tendo conseguido usar o laboratório foi impossível usar o computador ou DVD para abrir os arquivos. Contudo, as transcrições dos fóruns anteriores foram lidas e gravadas enquanto @s voluntári@s escutavam e depois todos nós escutamos novamente e interpretamos. Nossas interpretações foram supervisadas pela professora Esther. O equipamento não funcionou bem e não conseguimos ouvir as nossas interpretações. Também se discutiu sobre a interpretação e ética de trabalho voluntário.

Os intérpretes não profissionais de primeira-experiência que participaram no grupo peruano para o FSM2005, com a exceção dos intérpretes de quechua, foram eleitos com base no seu domínio de um terceiro ou quarto idioma, além do inglês, e suas capacidades de comunicação. Mesmo assim, isto não deixava de ser um risco devido à falta de infra-estrutura para o treinamento.

Houve comunicação permanente por correio eletrônico com tod@s @s voluntári@s peruan@s durante todo o processo de seleção.

Uruguai

Relatório: Fernanda Gerpe

PORTUGUÊS: tradução em preparação

A continuación transcribo los informes escritos por los coordinadores de idioma, respecto al proceso de práctica, evaluación y selección de los voluntarios uruguayos. Los informes están separados por idioma ya que los procesos fueron diferentes, sin embargo antes de la trascripción cabe señalar algunas cuestiones que se aplican a todos ellos:

- Las reuniones generales de Babels UY tuvieron cada vez menos convocatoria a medida que se acercaba el FSM, por lo que los grupos de cada idioma se fueron reuniendo en distintas instancias para realizar sus prácticas. A excepción de inglés, grupo que tuvo más inscriptos, algunos de los cuales no participaron de instancias de práctica, el resto de los grupos se reunían periódicamente.
- Cada grupo fue buscando la manera de conseguir materiales e información acerca cómo enfrentarse a una situación de interpretación, ya que casi la totalidad de los voluntarios no tenían experiencia. No contábamos con la participación de ningún intérprete profesional.
- No pudimos realizar ninguna instancia previa al FSM en cabina, ya que no contábamos con equipos ni posibilidad de conseguirlos.
- Las posibilidades de conseguir audios en las distintas lenguas acerca de temáticas relacionadas al FSM fueron reducidas ya que muy pocos podían acceder a conexiones de internet con las velocidades y anchos de banda necesarios para poder hacerlo. Por lo que se tendió a bajar textos de la página web del FSM, muchos de los cuales eran leídos o grabados por uno de los voluntarios para que otro pudiera interpretarlos.
- En Uruguay no hay ninguna escuela o facultad en que pueda uno formarse como intérprete. Por esta razón, la posibilidad de estar en POA fue tan importante para nosotros como instancia de formación, algo más "formal" que nuestras prácticas, que a pesar de hacerse con mucho empeño y tratando de alcanzar la mayor calidad posible, carecían de guía profesional. Muchos pudimos beneficiarnos de los consejos, explicaciones, estrategias, etc. de intérpretes profesionales que se mostraron muy interesados en compartir sus conocimientos con nosotros. Por lo que ahora estamos en mejores condiciones para continuar practicando y formándonos para futuras instancias. Es importante destacar que casi la mayoría de las personas que estuvieron en POA han continuado participando de las actividades propuestas, y han mostrado más compromiso con Babels y con los distintos proyectos que se han planteado en Uruguay.
- Si bien éramos concientes de nuestras escasas posibilidades desde el principio, y a pesar de no lograr conformar un gran grupo de trabajo antes de POA, quienes se hicieron cargo de nuestra participación, pusieron mucho cuidado al respecto del manejo de las lenguas. La mayoría de los voluntarios eran profesores, traductores públicos o estudiantes avanzados de esta carrera, o estudiantes avanzados de las lenguas a partir de las cuales iban a interpretar, algunos incluso habían vivido en países en que se hablaba su L2 o habían recibido formación académica en esa lengua.

INGLÉS Mercedes Camps (Coord. En-Uruguay)

“El proceso de selección en inglés consistió en realizar evaluaciones, es decir pruebas o simulacros de interpretación en base a audios del sitio web de Babels, que luego eran cotejados, por un lado con el texto en el idioma original para verificar errores de contenido en la interpretación y luego se verificaba solamente el dominio del español, si se hacía un uso correcto del idioma. Si el discurso tenia sentido por si solo.

De las personas anotadas en inglés que eran cerca de 80, solamente vinieron 10 a realizar la evaluación, de las cuales quedaron 8 seleccionadas. Las personas evaluadas en su mayoría tenían practica de las reuniones de Babels, habían realizado algunos ejercicios de interpretación previos, aunque no se trató de intérpretes profesionales en la mayoría de los casos.

Se les colocó el audio en inglés de unos 10 minutos para que interpretaran al español. En primer lugar yo me encargué de verificar que la interpretación fuera correcta, estuviera completa, etc. y luego le pedí a otra persona (que tiene español como lengua materna) que escuchara solamente la interpretación, es decir el discurso en español, para que sin saber que se trataba de una interpretación pudiera verificar la corrección del español.

Las interpretaciones se grabaron en la computadora, y fueron revisadas más tarde para poder realizar la tarea con tiempo y poder revisar posibles errores varias veces.

Las personas seleccionadas mostraron buen dominio de ambas lenguas y solvencia para enfrentarse a la situación de interpretar. En el caso de quienes no fueron seleccionados, la decisión se basó en una interpretación pobre e incompleta, que no reflejaba lo que se trasmitía en el discurso con total claridad. El proceso resultó bueno ya que a pesar de los pocos medios con los que contamos, pudimos resolver la clasificación exitosamente.”

PORTUGUÉS (Ivonne Dos Santos - Coordinación PT-Uruguay”)

“Proceso de Selección Intérpretes de Portugués-Uruguay: Se trabajó a lo largo de varios meses con prácticas de interpretación sobre grabaciones hechas por nosotras, ya que nunca contamos con material adecuado. Considerando que fuimos 4 intérpretes de pt, en realidad no me sentí capaz de dejar a nadie fuera, a pesar de que en algunos momentos dudé de la capacidad de alguna de nosotras, siendo que me responsabilicé por coordinar el grupo de 23 interpretes de PT registrad*s en nuestra lista dos meses antes del FSM/2005, logrando la mejor convocatoria de 3 personas + quien escribe, no puedo evaluar este azaroso proceso de selección, dónde no contamos en ningún momento con equipos adecuados y lo hicimos sobre entrevistas radiales cuyas velocidades distan bastante de una conferencia.

FRANCÉS (Lucía Schenone)

“Según lo convenido el sábado 11 de diciembre , el equipo de francés se reunió desde las 15 h a las 18 h . Hubo 7 voluntarias presentes , a saber : Floriane, Sidonie, Olga, Mónica, Dalia, Paula y Lucía. En vistas de que el DVD que nos iba a proporcionar una referencia, no se pudo abrir, decidimos trabajar conjuntamente con casettes de audio y textos leídos. Después de estos tests orales, cada participante manifestó sentirse capaz de afrontar la experiencia.”

ALEMÁN

Solamente dos personas conformaron el grupo de alemán. Se realizaron prácticas en las siguientes condiciones: una de las voluntarias leía un texto cuya temática estuviera comprendida en alguna de las 11 áreas del FSM, al mismo tiempo la otra voluntaria realizaba su interpretación del texto leído. De esta manera no sólo se practicaba interpretación sino que además se entraba en contacto con los términos que pudieran aparecer en dichas áreas temáticas. Tras haber realizado este tipo de prácticas durante algunos meses, se realizaron una evaluación en base a la grabación de una conferencia de una temática relacionada a las del FSM, en que el orador era hablante nativo de alemán. Tras haber realizado esta prueba, ambas voluntarias entendieron que se encontraban en condiciones de participar como intérpretes en POA.

ITALIANO

Se realizaron prácticas periódicamente durante varios meses, utilizando material relacionado a las temáticas del foro, tanto textos como grabaciones. Al llegar el momento de confirmar su participación en POA los miembros de este equipo entendieron que estaban en condiciones de participar como intérpretes. No hubo instancias de evaluación sino de reflexión en cuanto a la capacidad de cada uno.

 
Versão para imprimir Versão para imprimir

Na mesma rubrica

logo_spip firefox css xhtml | Área privada problemes | Mapa do sítio | top